em 

TODO O SITE  

como os meninos

09.05.17

 #comme des garçons #met gala



Organizado por Anna Wintour, o baile anual do Met já é, há alguns anos, o evento de moda mais esperado do ano, com um tapete vermelho recheado de celebridades em looks incríveis e com uma super exposição em homenagem a algum estilista ou movimento fashion.
 

 
E o tema do baile do Met desse ano foge tanto do óbvio, que foi complicado pra algumas beldades exibirem todo seu corpinho e glamour em algo relacionado ao estilo único, revolucionário e avant garde de Rei Kawakubo, a homenageada da noite de gala e da exposição.


A estilista japonesa vem desenhando novos rumos no mercado de moda desde que abriu as portas da sua Comme des Garçons em 1969, mostrando um conceito que não se aproxima de nada já criado até então. A marca desfila desde 1981 na semana de moda de Paris, sempre com peças que se confundem com esculturas, em coleções embaladas por títulos tão emblemáticos quanto tudo que cerca a marca.


"Mau gosto", "Transcendendo o gênero" e "Monstro" são alguns dos títulos de seus desfiles, que apresentam sempre uma visão bem radical da moda, em looks que desafiam qualquer statement estético pré estabelecido, mostrando formas que transformam o corpo, proporções esquisitas e técnicas inimagináveis.


Rei Kawakubo também é conhecida por colocar suas mãos e olhar em exatamente tudo que gira em torno da marca, das essências superpeculiares até as campanhas - que geralmente tem imagens bem fora da caixa - passando ainda pela curadoria/conceito da multimarcas Dover Street Market, criada por ela em Londres.


A loja, que também tem versões em NY, Ginza e Beijing, reúne marcas nas quais Rei acredita, como Céline, Balenciaga, Gucci, Erdem e Jacquemus, no mais perfeito e belo caos. Como tudo que circula o universo particular e espetacular de Rei, é difícil de entender, e ela não se preocupa em explicar. A estilista detesta entrevistas e poucas vezes aparece em eventos: nem mesmo no baile, em sua homenagem, ela apareceu! 


O que não foi assim tão ruim, já que a poupou de não encontrar a maioria dos convidados ignorando suas criações - o que também não a incomodaria nem um pouco. Comme des Garçons é, sempre foi e será criada pra quem segue sua essência, pra quem sabe ousar.
 

A exposição chamada Art of the In-Between é dividida entre Fashion/Anti-Fashion, Design/Not Design, Model/Multiple, Then/Now, High/Low, Self/Other, Object/Subject e Clothes/Not Clothes e está aberta a visitação.
 

Um mergulho cheio de inspiração num universo genial e supercriativo. Vamos?
TOPO

aperta o play

inativa