em 

TODO O SITE  

#forçafeminina: Anelis Assunpção

09.03.18



Ontem, na nossa campanha de dia da mulher (lembra que contamos dela aqui), falamos sobre #forçafeminina. E no embalo do tema, trocamos uma ideia com a Anelis Assunção – mulher-força que acaba de lançar Taurina, seu terceiro álbum inédito que, homenageia o pai e a irmã – em memória – e traz o cheiro de casa em notas amistosas e em um timbre delícia.

A maioria das canções do disco - sob direção musical dela - foi composta na cozinha de casa, entre amigos... Não à toa, o disco resgata sensações afetivas como se estivesse tudo ali, nas letras, como que por sabedoria ou intuição: a comida, o amor, a vida e a perda.

A intimidade de Anelis está para ser ouvida e sentida. E a gente conversou com ela para desbravar um pouco do universo Assunção. É só um pouco mesmo... porque ele é profundo e sem fim demais - tipo mar. 

Com licença, Anelis, entramos com respeito. 



- Taurina é uma referência não só ao signo, mas ao animal. Como essa relação aconteceu? É um animal tão masculino... não?
Taurina, no meu desejo de batizar o disco, é como se Taurina fosse a fêmea do Touro e não somente a mulher regida do signo de Touro. Como se fosse a Vaca. Buscando várias interpretações sobre a simbologia do animal Touro para reger determinado período e que tem o comando de Vênus, fiquei achando que a Vaca tinha mais a ver porque ela é um animal que o Homem aproveita quase que 100% - da carne aos ossos, do couro ao leite - e como isso tem muito mais a ver com essa figura feminina que acabou aparecendo no meu disco, mas a minha própria reflexão sobre a mulher e a nossa capacidade de servir, de ser muito útil num lugar resignado. Pelo menos, foi construída dessa forma o lugar da mulher, né? É uma reflexão, não é um engessamento. Acho que foi tudo construído para que as pessoas acreditassem que as mulheres servem para servir, se doar, cuidar, alimentar e os homens servem para comandar. Era mais uma brincadeira. Uma brincadeira séria da minha elaboração sobre a Taurina – e eu como Taurina, acho que sou regida pelo signo de Taurina. Entendeu?
 
- Desde quando o disco está sendo pensado por você?
Eu inscrevi o disco no Edital da Natura em 2016 e já tinha o disco arquitetado de certa forma. Já queria trabalhar com o Beto (Villares) e já tinha esse conceito da cozinha como espaço de criação onde me encontrei muitas vezes e a maioria dessas músicas foram escritas ali. Quando me inscrevi, já tinha uma ideia do que gostaria de fazer. Já tem uns dois, três anos que eu penso em fazer esse disco.
Capa: Camile Sproesser​

O disco é cheio de participações especiais, como Russo, Céu, Thalma de Freitas, Liniker. São pessoas próximas de você não só musicalmente, mas afetivamente, né? Esse universo afetivo traz pra Taurina um ar familiar. Como esses encontros aconteceram?
A Thalma, A Céu, o Russo... Não é a primeira vez que tenho eles no meu disco. A Thalma e a Céu – já somos quase que como uma continuidade. O Russo já é um parceiro próximo e temos convivido em processos mais íntimos, familiares até. E a Liniker apareceu na minha vida como uma nova amiga antiga. É incrível como a gente ficou íntima e próxima muito rápido. A gente se dá muito bem. Acho que tudo isso é muito natural, acho que isso faz parte um pouco desse universo da Taurina que é ter as pessoas sempre perto, as mudanças são muito lentas, são muito sutis. Existe uma evolução, existe uma melhoria em certos aspectos, mas não existe necessariamente uma mudaaaança. E é isso. Tenho também o Saulo Duarte que está tocando comigo agora, é um parceiro no disco. A coisa mais nova e inédita nesse disco é a minha parceria com o João Donato que não se deu a partir de um convívio muito íntimo, mas a gente teve um almoço na minha casa com uma moqueca que fiz pra ela, então isso, no mínimo, começa a configurar esse lugar de proximidade rs, de ter essa justificativa mais do afeto, da troca em outros aspectos da vida também, não só da música. É importante pra mim sempre isso, então acho que é bem natural essas presenças todas.

Fotos: Caroline Bittencourt
 
Para ouvir o disco é só clicar aqui

TOPO