em 

TODO O SITE  

hoje é dia de circo!

27.03.17

 #circo #jana serrat



Respeitável público! É com alegria que a gente comemora comemora - no dia 27 de março, hoje, o dia do circo - esse espaço artístico, lúdico e irreverente que há centenas de anos encanta crianças e adultos de vários lugares ao redor do mundo. Por aqui, não é nenhuma novidade que somos apaixonadas por circo, que já até virou pauta no Adoro! algumas vezes. 

E pra comemorar esse dia tão especial, conversamos com Jana Serrat, baiana que já mora aqui no Rio há um tempinho e que participa de circo desde pequena: "Costumo brincar dizendo que tenho 22 anos de profissão, pois já nasci brincando de circo", ela conta. Detalhe: ela tem 22 anos, ok?  Vem conhecer um pouquinho mais desse universo mágico! A gente garante: é impossível não se encantar


Conta pra gente a sua história no circo! Como você começou a se interessar?!
Eu tive a sorte de já nascer no universo circense. O meu pai, também artista, fundou um circo-escola em Salvador, o Circo Picolino. Brincar de circo fez parte de toda a minha infância, sempre fiz aulas, alguns espetáculos... Mas a brincadeira começou a se tornar realmente séria aos 16 anos, quando iniciei o curso profissionalizante. 

E quais foram as aulas ou técnicas circenses que mais te encantaram?! 
Sempre fui apaixonada pelas modalidades aéreas. Qualquer coisa relacionada a me pendurar de cabeça pra baixo me encanta. Tecido, lira, trapézio voador... É como poder voar! Recentemente descobri um novo amor, a parada de mãos, popularmente conhecida como "plantar bananeira" ou "handstand" (e que já foi matéria aqui no Adoro!). 

Como é uma rotina de ensaios/treinos/aulas no Circo?! 
É difícil definir o cotidiano de quem trabalha no Circo, pois cada um tem uma rotina de treino e trabalho bem diferente. Eu, por exemplo, não trabalho em nenhum Circo de lona. Treino todo os dias, mais ou menos umas quatro ou cinco horas por dia, dou aulas de Circo durante a semana e nos fins de semana trabalho fazendo eventos, como festas, casamentos, aniversários...

 
Por trás da prática, o circo também tem muito de "filosofia". Você pode contar um pouco pra gente sobre esses valores compartilhados no Circo?!
O Circo trata de confiança, parceria, coletividade... Atrelado ao aprendizado da técnica circense, vem dezenas de valores e a compreensão sobre o verdadeiro significado de trabalho em equipe e atenção e cuidado ao próximo. O risco faz parte da profissão, e por esse motivo cuidar da própria segurança e dos outros é a coisa mais importante! 

Você já se apresentou com o Circo?! E como foi?! 
Sim, muitas vezes! Ainda criança eu comecei a me apresentar. Lembro que durante muitos anos fui supertímida, e apesar de gostar muito de participar dos espetáculos, não levava muito jeito pra coisa. Ainda bem que o tempo e a prática melhoram tudo! Aos 17 anos entrei oficialmente pra companhia profissional, a Cia Picolino. Fiz diversos espetáculos e, com eles, algumas viagens. Já aqui no Rio de Janeiro, trabalhei um tempo no Circo Mascos Frota. Posso dizer que tenho bastante experiência com picadeiros, mas é engraçado que o frio na barriga antes de entrar em cena nunca deixa de existir, e é isso que nos mantém apaixonados por essa profissão!
 

Infelizmente o Circo não é mais uma atividade de lazer tão comum quanto antigamente. O que você acha disso?!
Realmente já não existem tantos circos itinerantes quanto antigamente. Tantas outras opções de lazer e entretenimento surgiram como forte concorrência. Mas a verdade é que o Circo nunca deixou de fazer parte do imaginário e da fantasia de quase toda criança, e também adultos. Dessa forma, o Circo vem se reinventando e surgindo na vida das pessoas das mais diversas formas. Não é incomum encontrar aulas de Circo em academias, escolas e até mesmo em espaço com aulas só pra iniciantes. Hoje, boa parte do público quer mais do que ir ao Circo e assistir ao espetáculo, mas quer também fazer parte e experimentá-lo como forma de lazer e atividade física lúdica... Mais do que um hobbie, pra muitos o circo se torna uma verdadeira paixão.  

E quais seriam seus sonhos, hoje, em relação a isso?
Eu desejo que o Circo alcance o patamar e a valorização que merece na cultura brasileira, pois, vinda de um projeto social, acredito muito no Circo como agente de transformações sociais! E, particularmente falando, espero ter uma longa carreira, e que nada me separe dos picadeiros!  


Vida longa aos picadeiros, vida longa à Jana no circo! Quem mais ficou com vontade de, além de assistir, praticar as atividades circenses?  Estamos apaixonadxs! 

TOPO