em 

TODO O SITE  

santa cher

27.05.17

 #aniversário #cher



Deusa do pop, diva das pistas, ícone fashion, estrela de cinema, militante LGBT e musa feminista. Vencedora de um Oscar, de uma palma de ouro em Cannes, um Grammy, um Emmy e outros tantos Globos de Ouro, não são poucos e nem um pouco humildes os títulos que Cher acumulou ao longo dos seus 71 anos de vida. 


Não é à toa que, ao fazer aniversário na semana passada, ela tenha ganhado uma avalanche de posts em sua homenagem, e todo mundo queria compartilhar seu momento preferido da americana que faz parte do nosso imaginário por muitas razões diferentes.


Cherilyn Sarkisian começou a causar nos anos 60, quando se lançou na dupla folk formada com seu marido, Sonny and Cher. O sucesso dos dois andava colado com a febre causada pelos Beatles e até mesmo por Elvis Priesley, e o casal logo ganhou também a TV americana num programa de variedades que virou hit nacional.


Ao se divorciar, Cher começou uma campanha de reinvenção que dura até os dias de hoje, entre figurinos com brilhos, penas e pouquíssimo pano, cabeleiras exóticas e uma personalidade segura, ousada e debochada, que lhe garantiu o sucesso na carreira solo.


E quando parecia que sua onda já tinha passado, ela arrebatava mais um disco como rockstar, namorado famoso, look escandaloso e filme de sucesso, entre alguns dos mais saborosos dos anos 80/90, como Feitiço da Lua, As Bruxas de Eastwick e Minha Mãe é uma Sereia. Aliás: é uma boa ideia rever to-dos, viu? 


Na porta dos anos 2000, quando já não poderia ser mais incrível, a cantora ainda lançou o mega hit Believe, que marcou a década e faz a gente sacudir até hoje, e a maravilhosa Strong Enough, se tornando a rainha das pistas e do auto-tune, ou melhor, do "efeito Cher".


A musa fez aniversário e de quebra completou mais de 50 anos de carreira, com barriguinha de fora, cabeleira poderosa e vozeirão pra lá de potente, do jeitinho que a gente gosta. Viva Cher! 
TOPO