em 

TODO O SITE  

se tu quer, vai lá e faz!

14.06.17

 #floripa #parque gráfico #sotaques



Uma vez me disseram que Floripa é uma cidade onde ou você fica e faz acontecer, ou você vai embora e acontece. Por aqui, a indústria criativa não tá tão consolidada como no Rio ou em São Paulo, e é difícil conseguir apoio e engajar a comunidade. Vemos grandes festivais de arte, de cinema e de música nos estados vizinhos, mas poucos deles visitam as terras manezinhas. Mesmo assim, não desanimamos.

Uma prova disso é o Parque Gráfico, uma feira de artes impressas independentes que aconteceu nos dias 19, 20 e 21 de maio. Apesar de já existirem outros eventos similares na cidade, como no caso da Feira Flamboiã e da Projeto Armazém, até pouco tempo não existia uma feira de maior porte, que acolhesse artistas com uma linguagem mais popular


A Parque Gráfico nasceu da vontade da Camila Petersen (26) e do Thiago Vieira (28) de incluir Florianópolis no mapa brasileiro das feiras de publicações independentes. Além de destacar o trabalho de artistas locais, o evento também convida artistas de outras cidades pra compartilhar conhecimento - tanto que o Parque Gráfico também oferece oficinas, que extrapolam o espaço expositivo e favorecem a troca de ideias.

"Muita gente vem aqui com vontade de fazer uma publicação, mas não sabe nem por onde começar. Então, elas fazem as oficinas e já saem com alguma ideia, produzindo. Isso ajuda a fomentar a produção local”, explica Camila. 


Esta foi a segunda edição da feira. Dos 60 expositores, apenas 15 eram repetentes. "O foco da segunda edição são novos artistas ou artistas convidados, que estão começando a se arriscar nesse universo das artes independentes, que nunca expuseram em eventos assim ou muito pouco, ou que só expuseram em eventos pequenos. Ou seja: gente que precisa de um empurrãozinho". 

Mas por que dar abertura pra artistas que “ninguém conhece”?

A Parque Gráfico encoraja a diversidade de temas. Aqui não há filtros de editora, nem de mercado. Durante a seleção, o trabalho é avaliado pelo seu conteúdo. Eu mesma participei desta edição como expositora, com o projeto Lunares, no estande do Bendita, um coletivo feminino de arte. Na mesma ao lado, o designer gráfico Pedro Brucznitski (25), e a Julia Brustolin (26), fundadora da Brustozines, apresentavam zines, desenhos e adesivos com temáticas sobre o universo LGBT. Na mesma fileira, a Brunca Grannuci (32), autora de colagens políticas e lisérgicas, também expôs seu trabalho numa feira grande como esta pela primeira vez. 


Pra Ju e pro Pedro, foi uma oportunidade de falar sobre temas que ninguém quer (ou tem coragem de) falar: desde sexo virtual à reprodução de homofobia e machismo dentro da própria comunidade gay, assim como a representatividade lésbica. Já a Bruna descobriu nas colagens uma forma de manter-se criativa em paralelo à maternidade.

A primeira edição da Parque Gráfico foi em maio de 2016 e foi viabilizada pelo Edital Elizabete Anderle, criado pelo governo catarinense pra fomentar iniciativas culturais locais. Porém, pra segunda edição, a Parque Gráfico teve que contar com recursos próprios e com o apoio de outras pessoas que acreditam na proposta e no potencial do evento - lembra que eu comentei, no começo do texto, que aqui em Floripa ou você vai ou você racha?

“Em 2016, o edital Elizabete Anderle não abriu. Aí, eu comecei a ir atrás de patrocínio privado, mas não consegui apoio.. Quando eu me deparei com essas dificuldades, eu lembrei que muitas das iniciativas culturais que começam aqui em Floripa, depois de um tempo, morrem ou deixam de ter periodicidade. Parece que não é tão sério assim. Então, vejo isso como um investimento."


Será que teremos mais edições da Parque Gráfico nos próximos anos? Espero que sim! E espero que a comunidade e os novos artistas frequentem cada vez mais estes espaços.Quanto mais pessoas participarem, maior será o apoio - e quanto maior o apoio, mais produções autorais nós teremos. Assim, quem sabe, Floripa será reconhecida, também, pelo seu potencial criativo.

(Obrigada, Evelyn Vereen, pela parceria de sempre e pelas fotos deste post! )


TOPO

aperta o play

inativa